14 de agosto de 2007

-Desabafo...

Eu costumo ser mto segura de mim mesma. Gosto de dar a volta às coisas, volta tal que põe tudo à minha maneira; se algo está mal, eu arranjo maneira de o tornar bom (para mim). Costumo ser positiva, viver numa boa, na descontra... e costumo abafar os meus medos, o que me faz sofrer, recuar, o que me incomoda. Há quem diga que não funciona. Não funciona de certa maneira, aquela pedrinha no sapato está lá sempre presente. Mas eu sempre consegui controlá-lo. Os meus medos e ânsias, o que me chateia mesmo em relação a mim, a tudo o que de mim faz parte. Só que há dias em que vem tudo ao de cima. E é como se todo o peso que eu tenho andado a abafar, caísse nos meus ombros. E tenho de escrever, falar, dizer, gritar. Tenho que dizer isto. Especialmente hoje, que fartei-me de pensar, mexer, remexer, na cabeça, no coração...
Neste caso...


Às vezes ponho-me a pensar se serei algum dia realmente capaz de amar alguém outra vez.. de verdade.

Não me tentar convencer a mim mesma, mas amar mesmo. Gostar mesmo, nem que seja só um pouco, mas que seja um pouco sem dúvidas, medos e hesitações.

Queria poder passar nem que fosse só um dia sem vítimas, sem alguém a rastejar por mim, alguém que eu não mereço, alguém a quem eu não consegui ser fiel á palavra ‘amo-te’.

Queria poder não fazer mais ninguém sofrer, e principalmente não sofrer porque sou eu a causadora do sofrimento. Só um dia sem o peso na consciência e o sentimento de culpa por saber que... vou acabar com o conto de fadas que alguém construiu em meu torno.

Um só dia em que não achasse que gosto de todo o Mundo. um só dia em que gostasse de verdade, mas mesmo a sério de alguém, e não viver a vida apaixonada e pensar que é pra sempre. quando no fundo sei que não é.. por minha causa.

Como eu queria, como eu gostava... de voltar a mim, de voltar a sentir Aquilo que só senti uma vez, de poder voltar a ter essa certeza, uma das poucas que tive até agora, e de poder sentir que faria tudo naquele momento, tudo o que fosse possível e impossível, para passar um segundo com Aquele Alguém.

Tudo o que daí adviu foi comparar uma gota de água com um oceano...

Por maior que essa gota pareça,é tudo tão pequeno.

Como eu queria,como eu gostava...

De voltar a ser sensível ao Amor como fui por instantes que nunca mais voltaram.

~the girl with no name, no heart, no feelings~

Ps - já agora, passo a 'publicidade' ao blog O Conto. É um blog em que vários participantes vão dando continuidade a uma história. Mas para mais pormenores, se quiserem, acessem lá através do link que eu pus n'O Conto'. A minha parte da história vai ser a próxima a ser postada :) PARTICIPEM !!

2 comentários:

EU disse...

GOSTO MESMO MUITO! desde que venha do coraçao e que conta pa, nao tem q tar poetico nem deixar de estar :D

Angel disse...

tudo o que disseste neste post que gostarias, só depende de ti!não é fácil, eu sei, é mais fácil falar que fazer, mas também ninguém disse que era fácil ;)...
Obrigada pelo comment e passa ´mais vezes no meu blog que és muitissímo bem vinda!!:) beijo**