21 de janeiro de 2011

' Bruno, Bruno...



confesso-te, meu amor:

às vezes apetece-me fugir contigo, só contigo - quando me tratas bem, me fazes surpresas, és a melhor pessoa do mundo em tudo, tratas-me como nunca ninguém me tratou, aceitas-me como nunca ninguém me aceitou, de uma forma natural, sem julgamentos, quando dizes coisas que me põe a pensar, quando fazes um esforço por ter uma conversa inteligente e filosófica comigo;

outras vezes apetece-me espancar-te até não te conseguires mexer mais - quando mostras falta de ambição e de objectivos na vida, quando és preguiçoso e desleixado, quando não dás valor aos meus esforços e à minha preocupação, quando não percebes quando ou o porquê de eu estar triste...

Para a vida, eu quero alguém que me ame, me aceite e me respeite, assim, como tu; quero alguém com quem tenha uma conexão espiritual e com quem eu continue a querer partilhar uma vida, mesmo quando a paixão e a química sexual desaparecerem. Tens tudo. Falta-te... quereres chegar mais longe do que é suposto querer-se. Quero que queiras ir bem longe, comigo.

4 comentários:

Rodrigo Rocha disse...

Claudjinha passei para conhecer seu blog ele é not°10, show, espetacular, muito maneiro com excelente conteúdo você fez um ótimo trabalho desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
Um gande abraço e tudo de bom

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Botas disse...

Ai esse Bruno, Bruno. O ponto fraco dele é te amar tanto.

<3