4 de abril de 2010

' As Intermitências da Morte e uma pergunta para ti.

Finalmente, acabei de ler o livro As Intermitências da Morte, do sempre genial José Saramago. digo finalmente porque o livro andava na minha mala desde Novembro de 2009, marcado no 2º capítulo. depois nunca mais o li, e na última semana de Março li o resto de uma assentada. fiquei boquiaberta, de tal genialidade. sem palavras. perfeito, talvez.

Hoje, a esse propósito, venho deixar uma questão em aberto para quem quiser responder.

Se soubéssemos o exacto momento em que iríamos morrer - ou se houvesse mesmo uma idade certa para toda a gente para se morrer - o que será que mudaria nas nossas vidas e no mundo?

esta semana, não há posting All That Jazz, porque estou farta. ou não me apetece agora. eheh.

7 comentários:

Anónimo disse...

Basicamente, a vida deixaria de fazer sentido.

Jo disse...

esse é um dos livros que tenho na calha, dado o meu usualissimo vicio de deixar livros a meio. esse foi um deles, a ser retomado entretanto.

quanto a tua pergunta, acho q a vida provavelmente faria mais sentido (choquem-se peregrinos da felicidade!). aproveitarias tudo ao maximo e tentarias fazer tudo - viajar, construir familia, um bom emprego... whatever - que te fizesse feliz e completa. porque nesta vida nós concretizamos apenas prai 40% dos desejos (nao tenho dados veridicos, dsc :P) porque achamos que somos eternos e q ainda temos muito tempo pela frente. e esse tempo pode-se esgotar num minuto.

OMOPrjct disse...

Era altamente confuso...
Mas era uma corrida contra o tempo, para tentar fazer tudo o que se queria, sabendo q naquele momento apagavamos a vela...

;)
Beijinho, e (re)bem-vinda ao meu cantinho na blogosfera...

****
Vasco

Di disse...

Teriamos a morte mais presente em nós... Faziamos contas à vida. Quando chegasse a altura certa iriamos ter medo, ou esperança... Se calhar tinhamos mais fé, ou viviamos de forma mais obscura, com receio. Se calhar faziamos tudo aquilo que sempre quisemos fazer. Se calhar vivamos pior, ou melhor. Se calhar.

O que importa é que a morte é algo que faz parte da nossa vida, do nosso "eu", mas não se sobrepõe à vida - essa sim é digna de ser sentida, pensada, planeada...

O que achas?

Beijo grande*

DC disse...

Há pessoas que sabem quando vão morrer, pessoas com doenças mortais (por exemplo) e a vida dela não deixa de ter sentido.

As pessoas que sabem qd vão morrer vivem mto mais a vida, e de uma maneira muito mais intensa, porque sabem que não vão estar cá muito mais tempo. Nós, pessoas que não sabem quando vão morrer, vivemos a vida de uma maneira muito mais lenta e fútil... por isso, na minha humilde e insignificante opinião, a vida seria muito melhor se soubéssemos a data exacta da nossa morte.

Olhos Dourados disse...

Não aprecio Saramago.

Botas disse...

Passava o resto dos dias como se fossem o ultimo, rodeado de quem é importante.

<3