5 de setembro de 2010

' Do Avante.

O Avante foi uma experiência extremamente ambígua.

Primeiro, estava com mau feeling (mas também sempre estive, e nem era para ir, nem sei porque é que decidi ir à última da hora). Desde todas as confusões para organizar minimamente as coisas até ao dia em que andei 2 horas a pé por Lisboa à procura da sede nacional do PCP para comprar a porra do bilhete e não havia maneira de dar com aquilo, não estava no espírito. Depois, no dia anterior a ir (5ª feira), com o concerto dos Nouvelle Vague (que foi ÓPTIMO, by the way, mas isso vai para outro post), não dormi nada (1 hora e meia foi muito); chego a casa de manhã (entretanto já é 6ª feira) e não tenho net, fico chateada, porque sou hiper viciada na net, e tinha o post sobre o Avante agendado, mas detesto quando os post's agendados vão para o blog sem eu os rever primeiro; resolvi dar um tempo à net, penso que deve ser uma avaria na zona, vou dormir umas horinhas, não durmo nada de jeito, acordo e preparo as coisas para o avante, faço mil e uma coisas para ver se a net funciona, e NADA, a caminho de lá apanho um trânsito descomunal, um percurso de meia hora demora 2 horas, entretanto quando chego lá já estou numa pilha de nervos.

Primeira noite da festa, e não gosto da festa em si. Sou muito citadina, pouco política e pouco apreciadora de cultura tradicional portuguesa, e no Avante só há discursos políticos e palcos onde estão a dançar folclore. Não há concertos de jeito (mas isso eu já sabia), e uma pessoa quer comer um hot-dog, mas só há feiras regionais, com aqueles doces e biscoitos e vinhos e queijos e o raio que os parta. Ainda assim, nessa noite até estava feliz, porque afinal e ao fim de contas fui ao Avante quase só por causa do Bruno (e porque nunca tinha ido), e estava mesmo naquela de estar com ele e a cagar-me para o resto, e soube-me bem estar com ele naquela noite. Mas essa madrugada correu muito mal. Como não tinha dormido nada na noite anterior, só me apetecia jogar-me ao saco-cama e ficar lá as próximas 10 horas seguidas.

Se dormi uma hora foi muito. Barulho. Trance até às 7 da manhã de um carro que estava a 4 metros da nossa tenda. Pessoas a berrar. Pessoas a atirarem-se para cima da tenda (acordei umas quantas vezes sobressaltada, nem sei como não me deu um AVC). Sim, tudo bem que eu já estava à espera disso. De festivais não se espera outra coisa e essa até é a piada da coisa. No sudoeste era a mesma coisa (excepto o trance em altos berros e pessoas a atirarem-se para cima da tenda, mas, enfim, as pessoas do sudoeste eram muito diferentes das pessoas do avante. as pessoas do sudoeste sempre te respeitavam se estavas dentro da tenda e sempre havia 1 ou 2 horas de manhã em que o silêncio era total, o que nunca aconteceu aqui). E no sudoeste valia a pena. No sudoeste valia a pena não dormir nada de noite, porque todo o festival e todo o tempo que se estava lá, era bom, e o ambiente era tão bom e as pessoas eram tão simpáticas, que não te apetecia dormir, apetecia-te ficar lá a conversar até não aguentares mais com o sono. enfim, o sudoeste era tudo de bom. e, no Avante, não. para mim, não valia a pena. as pessoas eram estúpidas e idiotas (falo de pessoas que eu não conhecia de lado nenhum e mandavam-se para cima da tenda, claro, não das pessoas com quem fui), e o que menos me apetecia era ficar ali a ouvir trance da 1 às 7h da manhã NON-STOP, estava a DAR EM LOUCA. e como eu, nessa altura, já estava irritada (mesmo muito), e estava a doer-me a cabeça (mesmo muito), e quando estou irritada tomo decisões precipitadas e sou ainda mais impulsiva do que sou normalmente, viro-me para o Bruno e digo "hoje vou-me embora".

E assim decidimos. O Bruno também não estava no espírito, aliás, o Bruno descobriu que não gosta de festivais porque este foi o primeiro a que ele foi e ele não gostou mesmo (ainda menos do que eu). Claro que fui alvo de uns quantos olhares dirigidos a mim, como quem diz "namorada possessiva, queres bazar e obrigas ele a ir contigo" (o que, devo dizer, nunca aconteceu, porque eu disse ao Bruno "vou-me embora", e não "vamos embora" ou "vou-me embora e vens comigo", e até porque me fartei de insistir para que ele ficasse e me deixasse ir sozinha, mas pronto, a culpa caiu para cima de mim à mesma, claro).
Resolvemos esperar até de noite, ver os Deolinda, e só depois ir embora, quando a festa acabasse, ou seja, quando os idiotas resolvessem ir para o acampamento mandar-se para cima das tendas das outras pessoas.

Dormi uma longa (duas horas no avante já foi muito) sesta, e acordei subitamente melhor (porque será? porque eu sou a pessoa mais insuportável e inaturável quando me privam de sono?), e já não me apetecia ir embora. Assim, do nada, comecei a entrar no espírito. Apetecia-me ficar acordada a noite toda e ser eu a pessoa a atirar-me para cima das tendas dos outros. Mas, na altura em que comecei a entrar no espírito e até a gostar daquilo, a tenda já estava desmontada, e já era de noite, e já estava tudo arrumado, e já tinhamos avisado a mãe do Bruno que vinhamos cá para casa. E o Bruno queria mesmo mesmo mesmo ir embora, e não ia dizer "tá bem, então vai, eu fico aqui, tchau".

resumindo e concluindo: ao inicio, odiei aquilo. a única coisa boa era a companhia. nem uma moca de jeito eu consegui apanhar. quando decidi que não valia a pena martirizar-me até domingo à noite se nas primeiras 24 horas estava a desesperar, achei que tinha sido a decisão mais acertada e que não me ia arrepender. e não me arrependo. mas, uma parte de mim, gostava de ainda lá estar. a aproveitar o espírito que chegou uma noite atrasado porque eu consegui (com muito esforço) adormecer-me durante 2 horas à tarde. no final de contas, tudo se resumiu a um problema muito simples: privação de sono e a irritabilidade que me trouxe. e toda uma conjectura de acontecimentos anteriores (o facto de já ir para lá com a ideia "Não gosto do Avante", e de ter sido uma confusão para conseguir ir, etc) que não foram a meu favor.

mas não gosto de pensar no lado mau das coisas, por isso, neste momento estou a ver o bom: eu e o Bruno nos transportes públicos às 23h com um péssimo aspecto (parecíamos fugitivos e teve piada), um banho quente (a água saiu castanha, juro, e só estive lá um dia), comida de jeito, uma cama fofinha à minha espera; e, sobretudo: SILÊNCIO. até consigo ouvir o silêncio. nunca apreciei tanto este silêncio.

como não sei se vou ter net quando chegar a casa, aqui fica um: até quando puder, ou até eu chamar um técnico da zon a casa e fazer dele refém até me arranjarem a net. e dificilmente volto a pôr os pés no avante...

como disse, foi uma experiência ambígua e estranha. mas, acima de tudo, foi uma experiência. as experiências são sempre boas, aprende-se sempre alguma coisa. e sempre satisfiz a minha fantasia de ter sexo numa tenda de campismo.

Muaah @

10 comentários:

Anónimo disse...

Normalmente á sexta não há grandes bandas a tocar. Além disso tiveste azar onde acampaste ..

E os Deolinda? se os viste já valeu muito porque eles são um conjunto mesmo muito bom.

Menina disse...

Eu nunca fui ao Avante..tenho alguns amigos que já foram ou costumam ir e que gostam..por isso achava que até iria gostar. A parte da música portuguesa e produtos mais tradicionais até gosto, uma vez que ouço muita música portuguesa e acho alguma piada a essas coisas. Agora o que contaste de estarem sempre a cair em cima da tenda e a música toda a noite..CREDO! Eu sou como tu, se não dormir fico com um humor que ninguém me suporta..para mim isso não dá mesmo. Tenho de dormir, por pouco que seja..

Ao menos ficaste com a experiência de ir lol Agora já sabes mesmo como é..

beijinho*

→ Calipso disse...

Epá gostei da tirada final :p

OMOPrjct disse...

Epah nem tudo foi mau, prontos lol

*** ;)

Botas disse...

Uma coisa, que eu sei que tu sabes, foi muito boa.=p

<3

JLC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JLC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JLC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JLC disse...

Bom encontrei este texto no facebook, e não pude deixar de comentar, não leves a mal o texto, desculpa a "invasão".

Bom, em primeiro lugar quando estamos naqueles dias de «mau feeling» e com poucas horas de sono, é normal não aproveitar a ocasião, quer estejamos no Avante!, no Sudoeste, na praia ou no cinema.

Em segundo lugar não concordo nada com a afirmação de que no Avante! só há discursos políticos e palcos de folclore. Existe, realmente um palco somente para o folclore, o que por si é de louvar, pois, o folclore ainda tem muitos adeptos em Portugal. Todavia, terás que dar o braço a torcer que bandas como Deolinda, Tim, Eina, Dias de Raiva, Pedro Abrunhosa etc não são, com certeza, da área do folclore. E então o concerto de sexta-feira? Foi música clássica. Falando nisto, a festa do Avante! é o único espaço onde eu consigo ouvir música clássica a um preço muito acessível (19.5 euros da ep). Vendo o nome que deste ao teu blog, e a referência a Nouvelle Vague (que concordo foi grande concerto), não sei como deixas te escapar bandas de jazz que marcaram presença este ano no Avante!. Falo concretamente de bandas como o Bernardo Sassetti Trio, Ricardo Pinheiro Sexteto e da Orquestra de Jazz de Matosinhos com o Kurt Rosenwinkel.

Em termos de organização, eu penso (mas isto é minha opinião), que o Avante! é talvez a festa mais bem organizada em Portugal, pois, temos que ter em conta que ali o trabalho é totalmente voluntario, feito pelos militantes do partido comunista. Muito destas pessoas, são simples trabalhadores, estudantes ou reformados e não empresas privadas que trabalham em festivais todos os anos. Mas, adimto que ano após ano o parque de campismo está a ficar cada vez mais “agressivo”. É um dos problemas que se coloca à festa. Contudo, e importante frisar que os exageros cometidos no parque de campismo é um problema, actual, dos jovens nestas noites de Verão. Ocorrendo estes “distúrbios” não só no parque de campismo do Avante! mas em outros sítios como o Sudoeste, BOOM. Como diz o outro, o problema é do muito álcool e das mocas. Todavia, o resultado final produzido pela festa é muito positivo.

Por fim, permite dizer o seguinte. Era da opinião que os «citadinos» gostavam do Avante!, pois, este é bastante citadino e não no meio da natureza. O parque de campismo está colocado numa cidade, entre prédios, ao pé de uma superfície comercial; o trânsito de carros e de transportes públicos é visível.
Por fim, fica um conselho. Dá outra hipótese, e não vás com espírito “festivaleiro” para o Avante!, pois este não é, nem pretende ser, um festival de Verão. É uma festa iminente política, dinamizada pelo PCP e seus simpatizantes, que tenta divulgar, tanto a situação política do país e suas propostas, como a cultura e a música portuguesa. Ainda podes encontrar na festa outros espaços de interesse (espaço ciência; espaço internacional (com comida e bebida de vários países e de outras culturas); espaços criança; um slide; espaço de jogos; espaço central; exposições de arte; cinema (este ano passou lá o documentário PARE, ESCUTE E OLHE); teatro).

Tudo de bom, cumprimentos.

JLC disse...

Desculpa lá os vários textos repetidos, isto deu um erro qualquer.