18 de março de 2011

' O meu maior defeito?

Ser permissiva.

Deixo que façam o que quiserem de mim. Não sei dizer que não. Ou digo que sim a tudo. Não me chateio com nada. Nunca mostro quando algo me incomoda – a menos que chegue a um ponto insuportável, obviamente, mas enquanto eu aguento, eu vou deixando.

As pessoas acabam por achar que sou mole. Que podem fazer e dizer o que quiserem, eu não vou ficar amuada, nem chateada, e provavelmente vou esquecer o assunto, e da próxima vez está tudo bem de novo. E sim, é verdade, é isso que acontece. Eu sou permissiva porque poucas coisas me incomodam, e quando incomodam, deixo passar, não fico a matutar, e acabo por me esquecer.

O pior é quando as pessoas acham que eu sou sempre assim. Que eu vou esquecer sempre. Bom, ainda não cheguei ao estado zen em que nada me afecta (estou a caminhar para lá, sou o total oposto daquele tipo de pessoa que fica chateada por tudo e por nada, à minima coisinha, felizmente já aprendi a distinguir aquilo que realmente importa daquilo que não tem importância nenhuma). Mas chega um dia em que passam dos limites. Até mesmo dos meus, que são bem grandes. Abusam. E não sabem aceitar um não, ou um amuo da minha parte. É bem verdade: as pessoas já não sabem aceitar um não da minha parte, sem amuarem, ou questionarem, porem em causa, acharem que sou injusta, bla bla bla, resumindo e concluindo, não me respeitam.

A culpa? Exclusivamente minha. Sou demasiado “na boa” e habituo mal as pessoas.

Outra coisa: não gosto de discutir. Gosto de debater, ripostar, dar as minhas ideias, acabo por ser até condescendente e dizer "tá bem, fica lá com a bicicleta" quando vejo que "não adianta" convencer a outra pessoa de que eu tenho razão, mas evito sempre o confronto e o conflito. Prefiro, lá está, ser condescendente e acabar por dar a razão antes que os tons da voz se elevem, porque sou calma, detesto discutir, confrontar, maus ambientes, prefiro deixar as coias como estão. Não quer dizer que não tenha opinião ou personalidade (porque tenho), ou que não me saiba defender, mas prefiro sair em paz do que vitoriosa de um confronto. A Vera chama-me de "Suiça", sempre que ela e o Alex discutem e eu digo "não me vou meter nisso" (porque a Suiça não participou na II Guerra Mundial). Sei que é a brincar, mas a brincar se dizem as verdades, e isso é bem verdade, gosto de ficar na minha, não entrar em guerras que não são minhas. "whatever".

Sou, enfim, permissiva. Demasiado. Nevertheless, gosto de ser assim. Sei que há um meio termo e um dia hei-de chegar lá, mas, por enquanto, prefiro ser permissiva e pacífica a ser aquele tipo de pessoas que se impõe demasiado, cujo adjectivo agora não me lembro. lol.

5 comentários:

Anónimo disse...

O cigarro soube bem ?

Menina disse...

Eu também sou assim. Aliás, já escrevi vários posts sobre isso..já consegui mudar um bocadinho, mas ainda foi mesmo só um bocadinho..

Por acaso, se não escrevesses esta característica da tua personalidade aqui no blog, não diria que eras assim =P vejo-te sempre como uma pessoa com óptima auto-estima e forte e pensava que também eras mais de dizer "não" lol

Vida de Praia disse...

Cuidado: há sempre quem abuse e não é lá muito saudável ser "pisada" ;-)

Nita Pirolita disse...

Eu sou exactamente, exactamente igual! Quase parecia que tinha sido eu a escrever isto!
Vë-se logo que fazes anos um dia depois de mim! :P

Beijinhos

Botas disse...

Já foste bem mais que és agora.=)

<3